Análise do filme Jogo do Dinheiro

A RockCine conferiu o filme com direção de Jodie Foster e faz uma análise para você ver ou não

Jogo do dinheiro

Por Ronaldo Gomes

Jodie Foster na direção do Jogo Do DinheiroAjudando a quebrar o ritmo da mais recente sucessão de filmes de ação sem muito conteúdo, está “Jogo do Dinheiro”, que começou a chamar a atenção no Festival de Cannes, onde Jodie Foster aproveitou para comemorar quarenta anos de sua primeira ida ao mais charmoso dos festivais de cinema para o lançamento de “Taxi Driver”, de Martin Scorsese. Em 1976, com catorze anos, era a atriz principal, agora, foi como diretora de um filme ousado, que não se enquadra facilmente em nenhum gênero.

A maior parte da história se passa num estúdio de TV e é vista através das câmeras da emissora. George Clooney é o grotesco apresentador de um programa econômico-financeiro que há muito desistiu de qualquer seriedade jornalística. Um show, cheio de gracinhas e palhaçadas que segura a audiência por causa das dicas de bons negócios no mercado de ações.

George Clooney em Jogo do Dinheiro

Lee Gates (Clooney) vive improvisando, fugindo do roteiro e ignorando as instruções da direção porque se considera o grande mago da antecipação dos movimentos da bolsa. Por causa dessas coisas, entre outras, a diretora do programa, vivida por Julia Roberts, está trocando de emprego. Mas tudo muda quando um rapaz invade o estúdio armado e o apresentador se torna seu refém.

O lado humano vai surgindo. Todo o brilho, artificialismo e falsidade televisivos se esvaem, enquanto as pessoas encontram seus limites. Há muita tensão, diante de uma tragédia anunciada pelo acúmulo de policiais e atiradores de elite. Mas o bom humor não é abandonado em nenhum momento, num roteiro que não tem a pretensão de mostrar verdades absolutas ou ser encarado como lição de moral ou exemplo a ser seguido.

Jogo Do Dinheiro

O lado mais corajoso do filme mostra o egoísmo, a alienação e o isolamento do público de TV, portanto, a quase totalidade do povo norte-americano (no mínimo nas grandes cidades). Ficam evidentes também os métodos usados pela televisão, que para manter a audiência trata ficção como realidade e jornalismo como show.

Quando o programa sai do ar, todos voltam a seus afazeres e universos particulares, esquecendo horas de transmissão ao vivo, que só interessaram como entretenimento, ainda que retratassem fatos reais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s